Página Inicial > Notícias > Inaugurada...Imaterial Nacional

Inaugurada escultura comemorativa da classificação da Festa das Rosas como Património Cultural e Imaterial Nacional

10 Maio 2022

O executivo municipal marcou presença na inauguração da escultura comemorativa da classificação da Festa das Rosas como Património Cultural e Imaterial Nacional. O Bispo da Diocese de Viana do Castelo, D. João Lavrador, marcou presença na cerimónia para inaugurar a escultura que presta homenagem aos cestos floridos como ex-libris da freguesia.


A festividade de Vila Franca do Lima assinalou os 400 anos da Confraria de Nossa Senhora do Rosário, fundada em 1622 por frades dominicanos, e voltou a ser promovida com a grandiosidade habitual no passado fim-de-semana, tendo como mote “Unidas na tradição e pela tradição”.


Desde setembro de 2021, a Festa das Rosas de Vila Franca está classificada como Património Cultural e Imaterial Nacional. Esta inscrição surgiu na sequência de um pedido formulado pela Junta de Freguesia de Vila Franca, apoiado pela Câmara Municipal.


Em março do ano passado, o executivo camarário aprovara, por unanimidade, um parecer positivo, "manifestando a total concordância" a este registo por "visar a proteção legal de todo o simbolismo e expressão cultural que as festas representam no plano local e nacional".


O documento sobre a Festa das Rosas destacava “a sua longa história, documentada, pelo menos desde 1622” e o seu “caráter único na continuação dos festivais milenares de invocação da primavera e do renascer do ciclo anual da vida”.


A Festa das Rosas é a primeira grande romaria do ciclo anual de romarias alto minhotas e constitui um dos últimos testemunhos vivos do culto à Senhora do Rosário e à oferenda de flores às várias invocações da Senhora, outrora fulgurante na Ribeira Lima. Realiza-se há 400 anos na freguesia de Vila Franca, na margem esquerda do rio Lima, e é conhecida pelos cestos floridos, confecionados com milhares de pétalas de flores.


Os cestos, que chegam a pesar mais de 50 quilogramas, são transportados na cabeça por jovens mordomas batizadas em Vila Franca, e que completem 19 anos em maio, numa demonstração de orgulho e fé.


No documento de classificação realça-se “a produção e reprodução que caracterizam esta manifestação do património cultural na atualidade” e que se traduz “em práticas transmitidas intergeracionalmente no âmbito da comunidade, com recurso privilegiado à oralidade e à observação e participação direta”.