Página Inicial > Notícias > Autarca de...fronteira

Autarca de Viana do Castelo defende necessidade urgente de melhorar infraestruturas nos territórios de fronteira

23 Janeiro 2019

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, na qualidade de presidente da Rede Ibérica de Entidades Transfronteiriças (RIET), defendeu hoje, na assembleia-geral da RIET, a necessidade urgente de melhorar as infraestruturas nos territórios de fronteira.


A assembleia-geral contou com a presença do Secretário de Estado da Política Territorial de Espanha, Ignacio Sanchéz Amor, com a presença da Presidente de Cáceres, Elena Nevado. Esta assembleia serviu não só para debater o Orçamento para 2019 da Rede Ibérica, mas também para preparar as mensagens a apresentar na próxima Cimeira Ibérica.


A assembleia abordou o défice das infraestruturas, especialmente ferroviárias, nos territórios de fronteira entre Espanha e Portugal. José Maria Costa afirmou que o corredor atlântico é fundamental para aumentar conetividade nas cidades, para o desenvolvimento económico e permitir fixar população no território. Na assembleia-geral, o Presidente da RIET afirmou ser urgente que ambos os países acelerem a introdução de infraestruturas para melhorar a competitividade dos territórios da fronteira, com medidas que serão solicitadas na próxima Cimeira Ibérica, em junho, na Guarda.


Ontem, o autarca de Viana do Castelo reuniu com os presidentes dos Conselhos Económicos e Sociais da Estremadura e Castilha e Leão. Nesta reunião, abordou-se a preparação da próxima Cimeira Ibérica e os contributos da RIET para a valorização do interior e das zonas de fronteiras. Foram ainda discutidas as melhorias das infraestruturas e da conetividade das regiões e fronteiras.


A RIET é um projeto criado em 2009 e que é constituído por organizações municipais, empresariais e de educação próximas da fronteira entre Portugal e Espanha. Esta entidade transfronteiriça, foi criada para promover a cooperação transfronteiriça, o desenvolvimento socioeconómico nos territórios fronteiriços e de se estabelecer como uma única comunidade de interesse perante os governos de Espanha, Portugal e da União Europeia.