Página Inicial > Agenda Cultural > “Azulejos...Avulsa”

“Azulejos Hispano - Mouriscos e de Figura Avulsa”

Dia 1 de setembro foi inaugurada a Exposição “Azulejos Hispano - Mouriscos e de Figura Avulsa”, da coleção cerâmica do museu de Artes Decorativas - séculos XVI e XVII, nos Antigos Paços do Concelho – Piso 0 (Praça da República, em Viana do Castelo).

A exposição contempla cerca de uma centena e meia de exemplares que incorporam a coleção de cerâmica do Museu de Artes Decorativas, salientando a evolução formal, técnica e estética do azulejo desde os Hispano-Mouriscos produzidos nos centros cerâmicos de Andaluzia e do Levante Espanhol, do século XVI, aos exemplares seiscentistas portugueses e holandeses de Figura Avulsa.

AZULEJARIA QUINHENTISTA "HISPANO - MOURISCA"
O termo azulejo al-zulaycha, significa pequena pedra polida ou ladrilho. São designados Hispano-Mouriscos ou Hispano-Árabes por terem origem árabe, serem fabricados em Espanha, e os desenhos se inspirarem nos motivos geométricos utilizados pelos mouros ou árabes onde predominam as laçarias, estrelas de oito pontas, arabescos e estilização vegetal.
Com as importações de azulejaria Andaluza, entre o final do século XV e início do século XVI, o azulejo passa a ser utilizado em Portugal com grande originalidade decorativa, tendo sido aplicados em revestimentos de chãos e paredes de igrejas e palácios.

AZULEJO SEISCENTISTA DE "FIGURA AVULSA"
Em meados do século XVI, surgiu uma nova técnica denominada majólica introduzida pelo italiano Nicolau Pisano na Península Ibérica, que consistia em aplicar as cores com fundente estanífero em azulejos de superfície lisa, não permitindo a junção das tintas durante a cozedura. Esta inovação permitiu aos azulejadores maior liberdade criativa, renovando formas e motivos decorativos.
No final do século XVII, aparece em Portugal o azulejo de figura avulsa, designação que resulta do motivo ornamental isolado, solto, que decora o centro, isto é, contem em si mesmo todo o motivo principal funcionando como um pequeno quadro independente.
Ao contrário dos azulejos policromos do século XVII, elaborados na base da repetição de padrões, conhecidos por azulejos de tapete, os azulejos de figura avulsa são de influência holandesa. Representam figuras simples, pintadas a azul-cobalto ou a vinoso numa diversidade de temas: flores, animais, casario e figura humana, enquadradas com ornatos decorativos nos cantos, a ajudar à união visual entre os vários azulejos.
Os azulejos de figura avulsa são representados sem grandes preocupações artísticas, com alguma espontaneidade e de forma ingénua, por vezes com carácter caricatural. Teriam sido produzidos em grande quantidade, razão pela qual foram largamente utilizados na arquitetura civil, e no revestimento de edifícios de arquitetura religiosa.

Técnicas de Fabrico
No século XVI coexistiam duas técnicas que permitiam a separação das cores: a corda seca e aresta.
A mais antiga, corda seca, permitia aplicar várias cores diretamente sobre o azulejo sem que estas se misturassem utilizando para isso óxido de manganês e óleo de linhaça, que preenchendo os sulcos previamente definidos no barro, estabelecia uma barreira entre as cores.,
A técnica de aresta ou cuenca consistia na aplicação de um desenho a molde no barro ainda cru criando relevos ou arestas, evitando deste modo, a junção das diferentes cores durante a cozedura da argila.
Os azulejos hispano-mouriscos apresentam algumas particularidades, nomeadamente, três verrugas equidistantes que se observam na face decorada, resultado da cozedura efetuada em pilhas onde os azulejos estavam separados por trempes metálicas.
A vitrificação era feita através do vidrado (óxido de chumbo) incolor ou corado com óxidos metálicos, e do esmalte, branco e opaco de óxido de estanho.
As dimensões e formas do azulejo variam com a utilização: vulgarmente quadrados, feitos a partir de uma placa de barro cozido com espessura variável, decorada e vitrificada numa das faces, com cerca de 2,5cm de espessura e dimensão média entre os 13|14cm de lado.
O reverso do azulejo (tardoz) é menos cuidado do que a face a decorar e, geralmente, apresenta-se liso ou estriado para facilitar a aderência da argamassa, podendo receber carimbos ou marcas.

Informações
Evento
de 01 de Setembro de 2018
a 14 de Outubro de 2018
Antigos Paços do Concelho
258 809 351
Praça da República
4900-520 Viana do Castelo